Publicidade
Distanciamento controlado
Governo do RS permite algumas flexibilizações na economia
Principal mudança foi a permissão do comércio em geral funcionar nos fins de semana até às 20 horas. Restaurantes e lanchonetes podem receber pessoas até as 15 horas em sábados e domingos
Por: Adriano Dal Chiavon
Publicado em: sexta, 09 de abril de 2021 às 14:32h
Atualizado em: sexta, 09 de abril de 2021 às 14:34h

O governador Eduardo Leite anunciou no início da tarde desta sexta-feira, 9, mudanças nos protocolos de restrições dentro do modelo de distanciamento controlado em vigor no Estado gaúcho. A principal mudança foi a implantação de mais flexibilizações nos setores comerciais e na área de alimentação. A decisão é baseada nos indicadores de redução de casos que vem sendo registrada no Estado. De acordo com o Executivo gaúcho, a partir da adoção das medidas mais restritivas, no fim de fevereiro, o Estado começou a verificar baixa no volume de casos e internações em leitos hospitalares. 

Publicidade
Publicidade

De acordo com os dados apresentados, o volume de internados em leitos clínicos, por exemplo, reduziu em quase três mil pessoas internadas na semana passada, na comparação com o pico de ocupação em meados de março. Atualmente, são pouco mais de três mil pessoas que seguem internadas em leito clínico nos hospitais gaúchos. Apesar disso, a ocupação de leitos de UTI ainda segue acima de 95% no Estado e segue havendo dificuldades para aquisição de medicamentos do chamado "kit intubação". 

– Nós tivemos que fazer um tratamento mais duro no Estado, que apresentava crescimento em uma velocidade assustadora da doença, o que exigiu restrições mais duras. E conforme vamos vendo esses números reduzirem, vamos aumentando as flexibilizações. Mas, ainda estamos em um patamar muito alto de contágio da doença, por isso ainda precisamos de muito cuidado, muita cautela e seguiremos exigindo o seguimento dos protocolos – disse o governador. 

Mudanças anunciadas

Ante a esse cenário, o governo gaúcho permitiu que restaurantes e lanchonetes passem a funcionar até as 23 horas, com entrada permitida até às 22 horas, durante os dias de semana. Antes, o funcionamento era permitido somente até as 20 horas. Também, foi retirada a restrição de horário para supermercados. Também, o governo estendeu a possibilidade de as academias atenderem até às 22 horas de segunda-feira à sexta-feira.

Outra mudança foi de ampliar o funcionamento nos finais de semana. Antes, nenhum estabelecimento considerado não essencial poderia funcionar, mas, agora o comércio em geral pode ficar aberto até às 20 horas. Já lanchonetes e restaurantes podem receber clientes até 15 horas, com encerramento das atividades até as 16 horas. Depois disso, segue permitido apenas delivery e pegue e leve, e a noite somente é permitido delivery nestes estabelecimentos.

Apesar das flexibilizações, o Estado segue em bandeira preta por mais uma semana e o governo manteve o fechamento geral de atividades não essenciais das 20 horas às 5 horas. Além disso, as regras de distanciamento dentro dos estabelecimentos seguem em vigor, como lotação de 25% em restaurantes, distanciamento de dois metros entre as mesas, academias recebendo uma pessoa a cada 16 metros quadrados e ocupação no transporte de até 75% da capacidade. Ainda, o governo segue com a orientação de protocolos gerais, como uso da máscara, álcool-gel, ventilação e limpeza constante das mãos e superfícies, inclusive com a orientação de uso duplicado de máscaras cirúrgicas aliadas com as de pano.

Fiscalização mais intensa

Nesse sentido, Eduardo Leite recobrou a necessidade da fiscalização. "Não dá para ser simplesmente uma volta ao normal, não podemos ter restaurantes lotados, volta de festas, isso nem de longe pode acontecer. O Estado ainda inspira muito cuidados", afirma Leite. 

Para auxiliar na fiscalização, nos próximos dias o Estado irá atualizar o número 181, voltado para o disque-denúncias de diversos crimes, que logo irá receber também denúncias contra o descumprimento dos protocolos da Covid-19. A atualização, também permitirá que o número tenha opções on-line, inclusive, com a possibilidade de os cidadãos enviarem fotos ou vídeos de flagrantes de atividades irregulares.

– Isso não é um monitoramento do Estado sobre as pessoas, é para os cidadãos conscientes exercerem sua cidadania, porque quem faz uma festa, um vizinho que faz aglomeração, um proprietário de restaurante que quer ganhar mais, desrespeita aos demais que cumprem as regras – detalha Eduardo Leite. 

Para essa fiscalização, nesta semana mais de 400 prefeituras gaúchas enviaram seus planos municipais de fiscalização, uma exigência do Executivo gaúcho para que houvesse as liberações anunciadas. Para isso, o Estado também ofereceu valores às prefeituras que têm dificuldades de verbas para contratação de fiscais, já que uma forte ação fiscalizatória de cumprimento das determinações será efetuada, inclusive com verificação do cumprimento das regras até mesmo dentro dos estabelecimentos. 

Fonte: O Alto Uruguai/Governo RS