Publicidade
Missão espacial
Residente de FW participa de estudo que projetou nanossatélite
Fascinado pelo espaço, Lorenzzo Mantovani também já se prepara para uma outra missão espacial, que contará com a parceria da Nasa
Por: Mariane Brandão
Publicado em: terça, 06 de abril de 2021 às 14:29h
Atualizado em: terça, 06 de abril de 2021 às 14:52h

Desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o segundo nanossatélite do programa NanosatC-BR foi lançado no dia 22 de março. O time de pesquisadores, especialistas e acadêmicos que projetaram o equipamento contou com a colaboração de um estudante residente de Frederico Westphalen, Lorenzzo Mantovani, que participou de algumas etapas do estudo que originou a missão espacial.

Publicidade
Publicidade

Lorenzzo, que é formado em Engenharia Aeroespacial na UFSM, cursa atualmente o segundo ano de mestrado no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). “Sempre fui muito curioso, por qualquer coisa que envolvesse tecnologia, adorava construir coisas, e sempre fui fascinado pelo espaço”, afirma Lorenzzo.

Monitorado por meio de uma base dentro da UFSM, o nanossatélite, que foi desenvolvido com a contribuição de Lorenzzo, poderá mapear problemas que possam interferir em sinais de GPS, comunicação, redes de distribuição de energia, erros em equipamentos eletrônicos e o desempenho de outros satélites.

Além do NANOSATC-BR2, Lorenzzo ainda participou da elaboração do primeiro satélite, o NANOSATC-BR1. O estudante também já se prepara para uma outra missão espacial que, desta vez, contará com a parceria da Nasa.

– Atualmente, minha pesquisa de mestrado está atrelada a outro satélite, o Sport (Scintillation Prediction Observation Research Task), uma parceria entre a Nasa e Agência Espacial Brasileira (AEB), com lançamento previsto para este ano – destaca Lorenzzo.

Desenvolvido pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o segundo nanossatélite do programa NanosatC-BR foi lançado no dia 22 de março. O time de pesquisadores, especialistas e acadêmicos que projetaram o equipamento contou com a colaboração de um estudante residente de Frederico Westphalen, Lorenzzo Mantovani, que participou de algumas etapas do estudo que originou a missão espacial.

Lorenzzo, que é formado em Engenharia Aeroespacial na UFSM, cursa atualmente o segundo ano de mestrado no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). “Sempre fui muito curioso, por qualquer coisa que envolvesse tecnologia, adorava construir coisas, e sempre fui fascinado pelo espaço”, afirma Lorenzzo.

Monitorado por meio de uma base dentro da UFSM, o nanossatélite, que foi desenvolvido com a contribuição de Lorenzzo, poderá mapear problemas que possam interferir em sinais de GPS, comunicação, redes de distribuição de energia, erros em equipamentos eletrônicos e o desempenho de outros satélites.

Além do NANOSATC-BR2, Lorenzzo ainda participou da elaboração do primeiro satélite, o NANOSATC-BR1. O estudante também já se prepara para uma outra missão espacial que, desta vez, contará com a parceria da Nasa.

– Atualmente, minha pesquisa de mestrado está atrelada a outro satélite, o Sport (Scintillation Prediction Observation Research Task), uma parceria entre a Nasa e Agência Espacial Brasileira (AEB), com lançamento previsto para este ano – destaca Lorenzzo.

Foto: Inpe/Divulgação 

Fonte: O Alto Uruguai