Publicidade
Ressocialização/Proteção aos animais
Abrigos para Pets são construídos a partir de doações e mão de obra prisional
Entrega das primeiras 10 casinhas ocorreu na tarde da quinta-feira, 25, no Presídio Estadual de Frederico Westphalen
Por: Gustavo Menegusso
Publicado em: quinta, 25 de novembro de 2021 às 17:01h
Atualizado em: quinta, 25 de novembro de 2021 às 17:40h

As primeiras 10 casinhas do projeto “Abrigo Pets” foram entregues às ONGs de proteção aos animais de Frederico Westphalen, na tarde da quinta-feira, 25. O ato ocorreu no Presídio Estadual de FW, local onde os abrigos foram construídos pelos apenados, a partir de doações de materiais por empresas e comunidade. A ideia é a de que as estruturas possam ser comercializadas para ajudar no trabalho desenvolvido por essas ONGs, como castrações e resgate de animais abandonados, ou mesmo servindo de “lar” para cães e gatos de famílias carentes. “A Associação dos Melhores Amigos dos Animais (Amaa) recebe com muita alegria as primeiras casinhas confeccionadas por reeducandos do presídio. Além de ser medida de ressocialização, o projeto promove uma vida mais digna para os peludinhos. As casinhas serão doadas para famílias de baixa renda ou vendidas para pessoas que possam pagar, sendo que os recursos obtidos com a venda serão integralmente utilizados no projeto, na aquisição de materiais para a confecção de outras casinhas”, comenta Priscila Maria Krodi dos Santos, voluntária da Amaa.
Inicialmente, os abrigos ficarão na casa da policial penal e incentivadora do projeto, Naíme dos Santos, até serem selecionadas as pessoas que serão beneficiadas ou alguém comprar as casinhas. A ONG Adote em FW também será beneficiada com as estruturas.

Publicidade
Publicidade

Dez abrigos foram construídos com doações de empresas e comunidade frederiquense

 

Um projeto de muitas faces
Além da Amaa e Adote em FW, o “Abrigo Pets” conta com a parceria da Defensoria Pública do RS, Rotaract Club, Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe) e do curso de Arquitetura e Urbanismo da URI/FW, que auxiliou com as plantas e designs das casinhas. “É um projeto de muitas faces. Ele ajudará as ONGs, que possuem várias dificuldades com as castrações; os animais, pois permitirá que eles possam ter abrigos, além disso irá estimular a adoção porque a pessoa vai levar a casinha; ajuda também a questão estrutural aqui do presídio, gerando essa possibilidade de emprego que é muito positivo para a instituição; auxilia os presos a terem essa qualificação, esse aprendizado que será muito importante no retorno social. Enfim, é um projeto de grande impacto e baixo custo. Tudo poderá ser feito na casa prisional, dependendo apenas das doações da comunidade”, afirma o defensor público de FW, Thiago Oro Caum Gonçalves.

Parceiros do Projeto "Abrigo Pets" (Imagem: Divulgação)

 

Remição pelo trabalho e ajuda à comunidade
Para a defensora pública, Paula Guerrero Moyses, o projeto contribuirá com a oferta de serviço dentro da casa prisional. “Uma das grandes dificuldades do Presídio de FW é a falta de trabalho, não por ausência de ideias, mas por carência de estrutura, então criou-se essa ação de selecionar alguns apenados (três por enquanto), para fazerem esse trabalho e conseguirem a remição, porque a cada três dias de serviço eles ganham um dia de remição de pena e ainda ajudam a comunidade por ser algo destinado às ONGs”, explica Paula.

Neste início do projeto, três apenados estiveram envolvidos com a construção das casinhas (Foto: Divulgação)


Evento reúne parceiros do projeto
O ato da entrega das casinhas reuniu diversos envolvidos com o projeto “Abrigo Pets”, dentre eles, a voluntária da Amaa, Priscila; os defensores públicos, Thiago e Paula; a representante do Rotaract Club, Cláudia Wandescheer; as assistentes sociais do presídio, Nadia Wacheleski e Sandra Coutinho Vasconcelos; o administrador da casa prisional, Gabriel Guidini Camargo e a vice-administradora, Rovena Ross; a chefe de segurança, Ana Paula Giovenardi; além da policial penal, Naíme dos Santos. 

Doações são necessárias para continuidade e ampliação do projeto
Por hora, as doações foram suficientes para a construção de uma dezena de abrigos, contudo a ideia é que o projeto tenha continuidade e seja ampliado para outros tipos de bens, tais como, caminhas de gatos, almofadas, redinhas, dentre outros. 
Interessados em doar podem contatar a Amaa ou o Rotaract Club de FW. Doações em dinheiro também podem ser feitas pelo PIX 11.997.255/0001-97 (Amaa). Os recursos financeiros auxiliarão na compra dos materiais ou diretamente nas castrações. Neste ano, a ONG, por meio de clínica parceiras, já realizou 109 castrações, sendo que 106 já foram totalmente pagas.  

Venda das casinhas ajudará na castração de animais de rua ou que foram adotados por famílias carentes (Divulgação Amaa)

 

O que doar?


 

Fonte: Jornal O Alto Uruguai
Publicidade