De bem comigo mesma - por Ediana Grassi
De bem comigo mesma - por Ediana Grassi

Sou Ediana Grassi Lucca De Souza, tenho 36 anos, natural de Frederico Westphalen - RS, resido em Florianópolis-SC. Sou psicóloga, coach, especialista em desenvolvimento humano e idealizadora do programa De Bem Comigo Mesma – coaching para mulheres. 

Da dor ao amor

Do fundo do poço, veio a transformação da minha vida.

Tags: mãe, mulheres, blog, blog do AU.

Publicado em 15/05/2018, última alteração em: 15/05/2018 20:00 por Ediana Grassi.


Olá meus amores, tudo bem com vocês?

O mês de Maio é um mês que marcou a minha vida e com ele comemoro muito aprendizado e superação.

Para vocês entenderem melhor, vou listar aqui:

Dia das mães (sem minha mãe);

Doze anos que minha mãe não está mais conosco (16/05/2006);

Doze anos de casamento com meu melhor amigo;

Um ano de sucesso do Programa De Bem Comigo Mesma;

Uauuuuuuuuu!!!!! Muita emoção para meu coraçãozinho!!

Brincadeiras à parte, mas junto do turbilhão de sentimentos, da euforia e orgulho das minhas conquistas, esse mês mexe muito com meus sentimentos, me deixa um pouco mais emotiva, introspectiva, pensativa... Hoje, após doze anos da morte de minha mãe, de um suicídio que foi um grande desafio a ser superado  (assimilado, aceitado, perdoado – meu perdão) na minha vida e da minha família.

A maior dor que senti na vida foi perder minha mãe da forma trágica que ocorreu, passei quatro anos por dias das mães “infernais”, não conseguia nem comer, só chorar, tinha “ataques de choro”, parecia que aquela dor nunca ia passar. Hoje, após doze anos, que completa exatamente amanhã (16/05/2018), eu já não sinto mais dor, ela foi ressignificada, sinto saudade, me emociono ao escrever, porque se Deus me desse uma oportunidade de fazer um pedido para ser realizado, pediria para tê-la de volta. Não é possível, e como sei que ela nunca voltará, eu guardei as histórias mais engraçadas com ela e minha família, os momentos mais lindos, a mãe leoa que eu tinha, que protegia, amava incondicionalmente, fazia de tudo para nos ver bem e que nos educou da melhor forma possível, nos repassando valores muito importantes que nos ajudaram em nossas escolhas de vida, falo nós porque incluo meu pai e minha irmã.

No dia vinte de maio de dois mil e seis, quatro dias após o falecimento da minha mãe, ganhei o melhor amor do mundo, comecei a namorar com meu marido, era meu melhor amigo. Conquistei um dos meus grandes sonhos, ter um relacionamento saudável e feliz, da maneira que sempre projetei, que tem muito aprendizado (teve muitos altos e baixos), é perfeito, dentro da nossa imperfeição, mas tem o que minha mãe me repassou, amor, cumplicidade, parceria, amizade, respeito, apoio, não tem preço no mundo que pague!

Perdi minha melhor de todas as amigas, ganhei um grande amor, que me ajudou a superar essa perda tão dolorosa e a me reconstruir como pessoa. Passamos por altos e baixos. Me perdi de mim mesma, cheguei ao ponto de me perguntar o que eu estava fazendo nesse mundo, se não tinha sentido de vida, acordar, trabalhar, para quê?! Inúmeras vezes pensei em tirar minha vida, graças a Deus nunca tive coragem!

Ai você deve estar se perguntando, porque compartilhar essa história? Eu te respondo:

Para te contar que existe vida após uma tragédia, que existe reconstrução, superação e que só estou aqui escrevendo essa história, porque aceitei o ocorrido, me perdoei e principalmente porque inclui a gratidão na minha vida. Todas as vezes que eu reclamava, me vitimava, me afundava, parava e pensava, “estou viva e Deus me deu a oportunidade de recomeçar, de aprender”, então agradecia por estar viva, por ter a oportunidade de criar a vida que sonhava, e foi assim, entre trancos e barrancos que superei.

Em Abril de dois mil e dezessete, decidi que iria ajudar mulheres a superarem suas dores, seus obstáculos, a acreditarem mais nelas e como eu vivi esse processo de reconstrução de mim mesma, além de ser psicóloga e coach, senti na pele as dores e delícias da ressignificação e entendi que precisava levar isso para o mundo, não poderia guardar para mim, precisava de algum jeito ajudar. Quando eu trabalhei minhas dores, entendi meus talentos, resgatei minhas forças, criei a minha realidade, alcancei meus sonhos e fiquei como sempre sonhei “de bem comigo mesma” e o nome do meu programa online, não poderia ser outro, em abril de dois mil e dezessete, lancei duas turmas do programa que se chamou “De Bem Comigo Mesma”, mais um marco na minha vida, mais superação, mais gratidão!!! Hoje, dia quinze de maio de dois mil e dezoito, comemoro o lançamento da” turma doze”, deste programa que transformou a minha vida e de mais de cem mulheres que dele já participaram.

E se eu tivesse desistido da vida? Desistido de lutar para superar meus traumas, minhas dores? Com o tempo a dor passou, e decidi evoluir e aprender não mais pela dor, agora com o amor.

Então meus amores, a partir de hoje, lutem pelas suas vidas!!! Tudo, absolutamente tudo, vocês podem superar. Comecem olhando para as reclamações do dia-a-dia, para as dores, para aquilo que incomoda, o “foco da dor” (pessoal, familiar, profissional, saúde, relacionamentos, financeiro...) qualquer coisa, e foquem em como mudar, como pensar diferente. Ao invés de pensar em problemas, busquem soluções para eles, ao invés de culpar os outros, trabalhem na mudança e se responsabilizem pelos erros, pelos fracassos, transformem os fracassos em oportunidades, encontrem possibilidades para evoluírem, para viverem melhor. É assim que transformamos nossa vida, tudo depende absolutamente de nós.

Eu acredito verdadeiramente que todas vocês, podem ser e chegar onde quiserem, desde que mudem o modelo mental como eu mudei, desde que vençam as resistências, foquem na gratidão, ressignifiquem o que dói, a mudança vem de dentro, então se permitam um mergulho profundo em si mesmas!

Eu agradeço todos os dias pelas coisas mais simples da vida, por ter tido a oportunidade de ser a pessoa que sou hoje, por ter resgastado minha essência, meu sentido de vida, e sei, que se essa tragédia não tivesse ocorrido, eu não seria quem sou hoje. Quando não posso mudar, eu aprendo com as dificuldades e com as dores e dou o meu melhor em tudo o que me proponho fazer.

Se você acredita que minha história te ajudou ou que pode impactar a vida de outras pessoas, compartilha, vamos fazer uma corrente do bem e inspirar o maior número de mulheres nesse mundão a fora.

Me acompanhe também  nas redes sociais:

Instagram : @edianagrassi

Fanpage: @edianagrassidesenvolvimento

E se tiver sugestões de assuntos que eu possa escrever para te ajudar, envia para o whatsapp da empresa: (48) 9 9127 -6685.

Um beijo no coração!

Com carinho,

Ediana Grassi.

COMENTÁRIOS

Os comentários no site não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas.