PUBLICIDADE
Unopar nº 9
Depois do apito
Depois do apito

Sou Plínio Fernando Mantelli, 37 anos, natural de Canoas e resido em FW há cinco anos. Sou formado em Educação Física com especialização em Futebol. Trabalhei nas esco-linhas do Clube Aimoré, de São Leopoldo, e hoje sou pro-fessor de educação física e da escolinha de futsal da Esco-la Auxiliadora, de FW. No blog vamos falar de esporte profissional e amador.

O Adeus ao ídolo dos grandes títulos

Me despeço do ídolo e amigo de longas conversas

Tags: esporte.

Publicado em 06/12/2018 por Plinio Fernando Mantelli.


História

José Tarciso de Sousa, mais conhecido como Tarciso Flecha Negra nascido em Minas Gerais, iniciou a carreira como atacante no America - RJ, e, após destacar-se, transferiu-se em 1973 para o Grêmio. No clube gaúcho, enfrentou a hegemonia do Internacional nos campeonatos regionais até 1977, quando o próprio Grêmio a quebrou. Fez parte do elenco vitorioso da equipe na década de 80, onde foi Campeão Brasileiro de 1981, da Copa Libertadores de 1983 e do Mundial de Clubes de 1983.

É reconhecido como o jogador que mais atuou com a camiseta do clube, por 726 vezes, entre 1973 e 1986. Também é o segundo jogador que mais marcou com a camisa tricolor, tendo feito 222 gols no mesmo período.

Com a ascensão de Renato Portaluppi, que começou a destacar-se no ano de 1982, perdeu a titularidade da ponta direita, sendo vendido em seguida ao Goiás. Ganhou títulos também no Goiás e no Club Cerro Porteño.

Foi empresário e político em Porto Alegre, mantendo uma escolinha de futebol desde a década de 1990 (chamada Gauchito), e trabalhou com projetos comunitários ensinando futebol às crianças carentes.

Após tentar eleger-se vereador de Porto Alegre nas eleições de 2004, pelo PDT, sem sucesso, foi eleito em 2008, reeleito em 2012 e 2016, adotando seu nome político de Tarciso Flecha Negra. Posteriormente, filiou-se ao PSD.

Tarciso faleceu em 5 de dezembro de 2018, em decorrência de um tumor ósseo. Estava internado no Hospital São Lucas da PUCRS, em Porto Alegre, há poucos dias.

Em decorrência do falecimento, prefeito de Porto Alegre, Nelson Marchezan Jr. decretou luto oficial de três dias na cidade.

 

Tarciso, o Ser Humano

Tive o prazer e honra de conhecer o Flecha, como era conhecido nas rodas de amigos em Porto Alegre. Um cara realmente diferenciado, um ser humano preocupadíssimo com as crianças e seu bem-estar.

Por vezes batemos papo, entre uma observação e outra para minhas disciplinas da faculdade, e sempre o assunto discorria para os anos de glória no Grêmio.

Lembro-me de um dia em que observava uma aula em um projeto social do qual ele era padrinho em Porto Alegre, e ao final da observação tirei umas dúvidas com um dos monitores e me sentei para tomar uma água, era uma tarde muito quente em Porto Alegre, enquanto fazia umas anotações num bloquinho, escuto ao fundo um chamado: “Hei, guri”. Olhei pro lado, Tarciso, Mazarópi e mais dois caras que não conhecia. “Você, vem cá”. Já tinha falado com eles algumas vezes no Olímpico e em eventos da Torcida Super Raça, da qual fazia parte, mas nunca dessa forma. Fui até eles, cumprimentei e então Tarciso me olha e diz: “Lembro de ti, de algum lugar”. O cara era demais, uma memória incrível e uma simpatia gratuita com todos. Sentamos, expliquei o que estava anotando, falei do meu curso, falamos por horas sobre futebol, sistema de jogo, Grêmio e mais Grêmio. Sai dali me sentindo o maior gremista do mundo. Peguei minha moto e parti rumo a São Leopoldo, minha cidade, o sorriso no rosto não podia ser visto por causa do capacete, mas me acompanhou nos mais de 40km que percorri até em casa.

O adicionei no facebook, onde tive mais uma surpresa, dois dias depois ele me aceitou como amigo e me mandou uma mensagem pedindo como eu estava e quando sentaríamos novamente pra falar de futebol. Um cara que devia ter inúmeras adições por dia, que provavelmente estava com a caixa de mensagens cheia e lembrou-se do nosso papo.

Conversamos mais algumas vezes, em outros projetos do qual ele fazia parte, sentei por vezes para entrevista-lo, para disciplinas da faculdade, e a entrevista virava uma aula de Grêmio.

Tarciso teve uma vida honrosa, é ídolo, deixou seu nome cravado na memória de um dos maiores clubes de futebol do mundo. Na vida pública lutou pelo bem-estar, principalmente das crianças e adolescentes, brigou muito pelo esporte. Me ensinou que o futebol não é apenas a busca pelo resultado, mas sim o prazer que a criança tem em participar. Aprendi com Tarciso que ganhar é bom, mas que competir e se divertir é ainda melhor. Hoje, aplico muito do conhecimento que ele me passou para meus alunos, principalmente na minha escolinha de futsal, onde prezo pela diversão e bem-estar deles, acima de qualquer outra coisa.

Tarciso partiu cedo, mas deixou um legado incrível para quem o conhecia, tenho certeza que lá de cima, sentado ao lado de Lara, Koff, Sant”Anna e outros, deve estar discutindo as contratações do Grêmio para 2019, já na ansiedade do time voltar a campo.

Gremista lá do céu

Tu não os vê, tu não os toca

Mas estão presentes...

Vários momentos inesquecíveis

Me veem à mente.

Por isso Grêmio um campeonato somente te peço,

Para os gremistas que lá do céu cantam comigo.


COMENTÁRIOS

Os comentários no site não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas.