SebraeRS

Com vasto campo de atuação, profissional da área encontrará recursos e facilidades ao buscar a formalização do negócio

Publicado em 26/01/2021, última alteração em: 27/01/2021 09:44.

Por:



11 - Girassol

As consequências da pandemia no mercado de estética e cosmética fizeram o setor ser o sexto mais impactado no que diz respeito ao faturamento, em 2020. Mesmo assim, o constante crescimento da área, registrado ao longo dos últimos anos, foi capaz de fazer novos empreendedores criarem o desejo de investir no ramo.

Segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), abrir um centro de estética foi um dos negócios mais buscados no site da entidade no ano passado. Atualmente, no Rio Grande do Sul, há aproximadamente 16,1 mil empresas no ramo de estética.

Para o futuro, a tendência é que o setor cresça ainda mais em todo o mundo. De acordo com indicadores divulgados na pesquisa da Euromonitor Internacional, publicada em março de 2018, há sentimento de otimismo entre os consumidores de vários países emergentes, incluindo o Brasil.

 

Importância da formalidade

De acordo com Sebrae, o mercado de estética e cosmética ainda possui um alto montante de profissionais informais. Embora a formalização dos empreendedores esteja crescendo bastante recentemente, muitos ainda permanecem na informalidade, o que é prejudicial para eles mesmos.

Não buscar a formalização do negócio faz com que o empreendedor não tenha acesso a uma série de benefícios que ajudam no cotidiano, como o acesso ao crédito, compra de máquinas e equipamentos em condições diferenciadas por meio de CNPJ, além de parcerias que exijam a formalização.

Para auxiliar quem pretende investir na área, o Sebrae preparou dicas destinadas a quem tem desejo de empreender no ramo. O material recebeu comentários adicionais da professora do curso de Estética e Cosmética da URI/FW, a farmacêutica esteta Ma., Mônica Cerutti Martellet. Confira.


1 – Mercado

Esse é um segmento em crescimento, que tem dois grandes aliados: a busca por qualidade de vida e o surgimento de novas tecnologias. Com tantas opções de serviços, é importante ter foco e definir quais serão as atividades oferecidas.

Para Mônica, é importante saber para onde o consumidor está olhando, o que ele almeja, o que ele não deseja, e dá algumas dicas:

  •          Entender as alterações do mercado e visualizar possibilidades que auxiliem a recolocar a empresa de forma mais produtiva.
  •          Descobrir para onde o mundo está caminhando e de que maneira isso poderá influenciar o negócio.
  •          Encontrar respostas, ou ao menos indícios, para estes questionamentos é o que torna mais relevante os estudos acerca das tendências no segmento da estética e cosmética.

2 Estrutura
Na hora de montar o espaço de atendimento, é interessante pensar no conforto que será oferecido aos clientes. A sugestão do Sebrae é que o estabelecimento tenha recepção, sala de espera, espaços comuns de atendimento e também gabinetes ou salas individuais, e banheiros suficientes para o fluxo de pessoas que frequentará o espaço. Oferecer estacionamento próprio ou convênio em locais próximos é importante.

 

3 Equipe
Para um centro de estética de pequeno porte, o Sebrae sugere começar com quatro profissionais: um recepcionista, dois esteticistas e um responsável pelo administrativo. O empreendedor precisa cuidar da segurança do trabalho e da saúde ocupacional dos funcionários, que devem ser capacitados para manipular produtos químicos e manusear equipamentos.

 

4 Especialização
Para atuar na profissão, o esteticista deve fazer cursos técnicos, tecnólogos ou superiores oferecidos e reconhecidos pelo Ministério da Educação. Segundo os dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), nos últimos cinco anos, houve um aumento de aproximadamente 565% na busca e utilização do segmento.

Para a professora, essa procura exige que os profissionais sejam especializados e estejam em constante atualização. “Qualificar-se para atender a demanda do mercado é a maneira mais promissora de garantir a obtenção de resultados de alta performance em seus negócios. Como instituição URI/FW, acreditamos no crescimento do setor e estamos preparados para formar recursos humanos pautados na ética, comprometimento e qualificação profissional para atender as demandas do ramo”, relata a esteta.

 

5 Gestão do estoque
O estoque de mercadorias deve ser suficiente para o bom funcionamento da empresa, mas mínimo para reduzir o impacto no capital de giro. É importante verificar se os produtos estão com situação regular nos órgãos de fiscalização. Em alguns casos, é preciso ver o rótulo do produto e conferir o número do registro ou notificação na Anvisa, orientações de uso, advertências e a data de validade.

 

6 Concorrência
Apesar de ser um mercado em contínuo crescimento, há uma forte concorrência altamente especializada e treinada. Por isso, o investidor deve estar sempre atento às inovações do setor.

 

7 Diferenciais
Para se destacar, dá para oferecer atendimento em domicílio para serviços mais simples, como manicure e pedicure; comercializar produtos como cosméticos, florais, velas aromatizadas; oferecer um cartão fidelidade; e fazer parcerias com academias, lojas de produtos naturais e profissionais da área de saúde, como nutricionistas e educadores físicos.

Para fidelizar os clientes, é importante ter pontualidade nos atendimentos, oferecer materiais de qualidade, ambiente acolhedor e silencioso. Além disso, a personalização é apontada pela professora da URI/FW como um diferencial importante para manter seu público de clientes.

– Para alcançar o consumidor, será imprescindível olhá-lo como indivíduo e estudar seu comportamento e suas necessidades pessoais. Entregar produtos e tratamentos customizados é a chave para conquistá-lo. À medida que os consumidores continuam a expressar sua individualidade, eles estão sendo atraídos por novas marcas independentes, as indie brands, que oferecem perspectivas e benefícios exclusivos que algumas das grandes marcas ainda não atendem, por exemplo – aponta Mônica.

 

8 Clientes
As mulheres representam 83% dos atendimentos realizados por prestadores de serviços nas áreas de beleza e estética. Porém, cada vez mais, o público masculino se interessa pelo serviço e muitos empresários estão de olho nesse crescimento. Outro nicho de público que tem despertado muito interesse no setor é o da terceira idade.

 

9 Divulgação
Fazer uma pesquisa de mercado antes de montar o negócio é uma boa estratégica para identificar o público-alvo. É ele que fará a melhor publicidade da empresa, no melhor estilo de divulgação boca a boca. Outra grande aliada é a internet e as redes sociais, como aponta a professora Mônica.

– Mais do que ter followers, seguidores, é importante ter admiradores. São eles que vão falar do seu negócio de forma entusiasta, que vão indicar, vender o seu produto ou serviço. Eu acredito que os profissionais que não forem por esse caminho vão perder share de mercado, vão perder seus apreciadores – afirma.

 

Fontes: SebraeRS e G1

 

COMENTÁRIOS

Os comentários no site não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas.