PUBLICIDADE
9 - Seen Experience

Sebrae RS

Levantamento realizado em junho revela também que capital de giro segue como a principal necessidade dos empresários

Publicado em 02/07/2020.

Por:



11 - Razia

A dificuldade para obter empréstimo tem sido uma das principais dores de cabeça dos empresários desde que a pandemia do novo coronavírus (Covid-19) chegou ao Rio Grande do Sul. A Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise, realizada pelo Sebrae RS, mostra que 39% dos empreendedores gaúchos precisaram recorrer a um financiamento. Desses, 46% tiveram o pedido negado (alta de 20% em relação à pesquisa anterior), 21% estão em análise e 33% conseguiram.

Para os entrevistados que buscam crédito, a falta de garantias ou avalistas (32%) e a taxa de juros elevada (27%) são os principais entraves, seguidos da empresa ou sócio com alguma restrição cadastral (26%), não sabe (17%), a empresa não possui capacidade de pagamento (8%) e o alto grau de endividamento (6%). A necessidade de empréstimo está relacionada com a escassez de capital de giro, apontada pela pesquisa como a principal carência dos pequenos negócios, chegando a 58% dos respondentes.

Apesar de todos os programas lançados pelo Governo Federal desde o início da crise, o crédito continua caro e burocrático para os pequenos negócios. No Brasil, as micro e pequenas empresas representam 99% dos empreendimentos e respondem pela maior parte dos empregos. “Se não socorrermos logo os empreendedores que precisam de crédito a economia irá estagnando progressivamente, dificultando ainda mais o endereçamento desta crise multifacetada que vivemos”, pondera o diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy. Para o dirigente, “é melhor entregar dinheiro para as empresas do que pagar seguro-desemprego”, já que recurso na empresa mantém postos de trabalho, gera riqueza, inclusive novos tributos, e o seguro desaparece no consumo individual.

Nesta edição do levantamento, outros temas também surgiram como de interesse dos empreendedores, considerados importantes para a retomada das atividades, entre eles: análise sobre tendências e perspectivas do mercado (32%), análise do comportamento do consumidor (20%) e orientações sobre questões legais - decretos, protocolos e medidas provisórias (10%). A pesquisa mostra, ainda, que 16% das empresas estão sem possibilidade de funcionar devido à natureza da atividade (predominantemente presencial) e em razão das restrições impostas por decretos governamentais.

Apesar de todas as dificuldades, para 51% dos entrevistados a expectativa é de manutenção dos negócios nos próximos 30 dias. A Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise ouviu 578 empreendedores gaúchos, de 17 a 25 de junho.

 

Reflexo no Brasil

A dificuldade de conseguir financiamento também é uma realidade em todo o Brasil e continua provocando danos na economia brasileira. De acordo com pesquisa feita pelo Sebrae Nacional, em parceria com a FGV, desde o início da crise, apenas 16% das pequenas empresas conseguiram crédito, ou seja, 84% das que solicitaram estão aguardando ou tiveram o pedido negado. A proporção de pequenos negócios que buscou crédito variou 9 pontos percentuais (de 30% para 39%). Isso significa que desde o início da crise, cerca de 6,7 milhões de Pequenos Negócios buscaram empréstimos em bancos e apenas 1 milhão deles, efetivamente, conseguiu. O levantamento nacional ouviu 7.703 donos de pequenos negócios de todos os 26 Estados e do Distrito Federal. 

 

Confira mais dados da pesquisa realizada pelo Sebrae RS:

Funcionamento

84% sim

16% não

 

Faturamento

74% diminuiu

16% inalterado

10% aumentou

 

Expectativa para os próximos 30 dias

51% manter

14% reposicionar

11% expandir

10% reduzir

10% retomar

4% encerrar

 

Necessidades

58% capital de giro

32% análise sobre tendências e perspectivas do mercado

24% alternativas para diversificar produtos e serviços

20% análise do comportamento do consumidor

20% consultorias para readequação do negócio

16% consultorias para gestão financeira

14% consultorias para gestão da crise

13% orientação sobre finanças

13% consultoria para adequação de custos

10% orientação sobre questões legais (decretos, protocolos e medidas provisórias)

7% orientações sobre assuntos trabalhistas

 

Por Sebrae RS
 

COMENTÁRIOS

Os comentários no site não são moderados e são de inteira responsabilidade de seus autores. Utilize este espaço com elegância e responsabilidade. Ofensas pessoais e palavras de baixo calão serão excluídas.
PUBLICIDADE
13 - Dedetização Daniel
PUBLICIDADE
13 - Zooclínica